quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

A.E.A: registro e primeiros tempos - Geraldo da Costa e Silva

           

Dr. Geraldo da Costa e Silva e seu livro "Do mundo da bola", crônicas sobre o futebol
Fundado o clube, tratamos de montar o time. O zagueiro Almeida, oriundo dos juniores do Palmeiras, indicou alguns amigos cujas idades estavam estourando para a categoria, provavelmente liberados pelo verdão. Aimoré foi à capital e trouxe o goleiro Álvaro e o ponta-esquerda Daércio. Da várzea paulistana teve informações e buscou o excelente volante Luís Valentim. Do futebol amador da cidade garimpamos Bauer e depois Sérgio Luís. Em Andradina buscamos o Marreta (Elói) e fizemos vir de Mineiros, Goiás, o ponta-direita Arnaldo. Depois foram chegando Tuta (Junqueirópolis), Anselmo (Prata City), Betinho (Pereira Barreto), Vicentinho (Pacaembu)... Juntados aos remanescentes do E.C. T. Maia (Quinha, Almeida, Cido, Orlandinho, Claércio, Sobral, João Carlos, Periquito e Luizinho), estava composto o elenco-base. Os contratos, numerados, assinados pela moçada foram levados pelo Eliseu Fernandes (hoje desembargador em Rondônia) para registro na Federação Paulista de Futebol e recusados: a entidade, então presidida pelo folclórico João Mendonça Falcão, não aceitava registrar como profissional um clube recém-filiado, que sequer disputara um campeonato amador. Os contratos assinados tinham prazo de validade para registro, controlados pelo número e pela data, maneira de combater os perversos contratos-de-gaveta. Assim, tivemos que refazer todos. Sucessivamente o Eliseu fez mais três tentativas junto aos cartolas federativos, sem sucesso. Nossos jogadores não tinham até então, portanto, qualquer vínculo com o clube, embora disso não soubessem. Os amistosos iam realçando as qualidades deles e o assédio de outros clubes veio em crescente. Procuramos a ajuda do deputado estadual Jorge Maluly Neto. Passamos, eu e Aimoré, um dia na Assembleia Legislativa, ele tocando seu expediente e mantendo contatos com outros parlamentares ligados ao esporte, como Ari Silva, colunista do jornal Gazeta Esportiva. No fim da tarde fomos com ele e Wadih Helu, ex-presidente do Corinthians, para a sede da Federação Paulista de Futebol, onde nos recebeu Américo Egídio Pereira, o vice de Falcão. Wadih Helu soltou o verbo exigindo a inclusão da AEA no torneio seletivo que classificaria dois clubes para a disputa do Campeonato Paulista da Divisão Especial (hoje A1). Foi dizendo que Araçatuba era uma grande cidade, com um belo estádio. O senhor Américo humildemente ia concordando, até perguntar-me qual tinha sido nossa classificação no campeonato anterior da Primeira Divisão (A2). Respondendo que não havíamos participado e sim o T. Maia, a casa caiu. Riu gostosamente, pois pedíamos o impossível. Com mais um pouco de conversa dos dois deputados, prometeu registrar nossos contratos na semana seguinte, garantindo vaga para s disputa da Primeira Divisão. Exatamente o que queríamos.


            Veio o campeonato, o time crescendo, dando espetáculos cada vez melhores no Estádio Ademar de Barros, para público e quadro associativo cada vez maiores. A história todo mundo sabe. Durante o certame perdemos apenas um jogo em Garça (3x1), jogando com dez elementos desde o início da partida. O triangular final, com o Rio Claro e o Catanduva, foi dramático e a 15/12/1973, exatamente no dia do seu primeiro aniversário, a AEA sagrava-se Campeã Paulista da Primeira Divisão.

            O vice-prefeito Dr. Oscar Luís Gurjão Cotrim tornou-se grande incentivador da rapaziada. Ia ao vesti rio nos dias de jogos, assistia a todos. At‚ o prefeito Waldir Felizola de Moraes, que detestava futebol, passou a marcar presença, procurando aparecer junto aos atletas. Quando ganhamos o campeonato a cidade vibrou, muita gente prontificou-se em colaborar para a consolidação do clube. O deputado Maluly Neto descolou verba do governo estadual para a iluminação do estádio. O processo seguiu o cronograma da Secretaria dos Esportes, a obra tornou-se realidade e depois dos testes de praxe a inauguração foi marcada para 30/10/1974. Por contrato direto com o presidente Vicente Mateus, acertamos jogo festivo com o Corinthians: CR$ 60.000,00 mais CR$ 24.000,00 pelo fretamento de avião especial, mais despesas de hotel e alimentação para a delegação. Os ingressos foram colocados à venda: CR$ 50,00 as numeradas e CR$ 20,00 as demais acomodações do estádio. A procura era grande quando o prefeito fez intervenção. Unilateralmente, sem diálogo, decretou preço único: CR$ 10,00 (dez cruzeiros). Pelo rádio dizia que o estádio era municipal, que ele tinha o poder de estabelecer o preço dos ingressos: "Sou o gerente da cidade e meu povo tem que ver o jogo" . Lembrava uma antiga música de carnaval, que falava do pedreiro Valdemar, construtor de casas e palacetes onde depois não podia entrar. Convocou-me à prefeitura, fiz-lhe as projeções demonstrativas de que sua determinação inviabilizava o evento, pelos custos, além do risco de chover. Ele manteve-se inflexível: o poder de mando era seu e palavra de prefeito não voltava atrás. Também não cedi. Na busca de respaldo e segurança, reunimos os diretores e telefonamos para Vicente Mateus, consultando-o sobre a possibilidade de cancelamento do jogo, sem multa contratual. Daquele jeito peculiar, respondeu: "É um favor que me fazem. O técnico Sílvio Pirilo ficou uma fera com a marcação deste amistoso". Com isso firmamos posição. Antes de propor ao prefeito o cancelamento, péssimo para o clube e desastroso para ele, ofereci-lhe a alternativa de fazer o jogo de portões abertos para o "seu povo", assumindo a prefeitura o contrato com o Corinthians e pagando CR$ 20.000,00 à AEA. Recusada a oferta, anunciei-lhe então a suspensão da partida: ele que inaugurasse os refletores quando, como e com quem quisesse. E fui-me. O assunto ferveu na imprensa. O Waldir, no seu estilo, esbravejou pelo rádio e eu ouvindo no meu receptor: "Esse moço aqui chegou há  pouco tempo, mal bebeu da água do Baguaçu e quer mandar na cidade. Aqui tem gerente. Ele que se vá embora".

            Fiquei. E, com a diretoria, firme no propósito assumido. Então o Dr. Cotrim entrou nas negociações, com seu amor pelo esporte e seu tino diplomático. Ia à prefeitura e vinha ao meu consultório. Eu radicalizando, mas ansioso para realizar o jogo. Fiz então uma proposta. Para que a palavra do prefeito prevalecesse, haveria, sim, ingressos de CR$ 10,00. Deveriam ser construídas duas muretas na arquibancada do lado do ginásio de esportes, delimitando entre elas metade do espaço central, onde o espectador pagaria CR$ 30,00 pelo ingresso; nos dois espaços laterais o preço seria CR$ 10,00. Para manutenção da ordem e prevenção de invasões as muretas seriam guarnecidas por atiradores do tiro de guerra. Assim o jogo aconteceu, um belo espetáculo, 2x2 no placar e as muretas ainda hoje lá estão. O lucro líquido para a AEA correspondeu a cinco folhas mensais de pagamento, apesar de o prefeito, com quem depois tive convivência pacífica e cordial, e que sempre respeitei pela honestidade na gestão administrativa, ter dado o seu revide: distribuiu centenas de ingressos gratuitos.

            A expectativa pelo jogo foi demais, na cidade e região, não só pelo imbróglio, mas pela presença do Corinthians. A chegada do timão levou muita gente ao aeroporto. Vicente Mateus veio comigo no Karman Ghia TC azul e chegamos à frente. A delegação veio de ônibus e do apartamento do presidente observávamos uma multidão cercando o ônibus na frente do Hotel Chamonix. Os jogadores iam entrando e lá de cima eu assistindo torcedores subindo e afundando o teto do meu carro novo, para melhor visão de seus ídolos.

            No jogo, Daércio deu um baile em Zé Maria, titular da seleção brasileira. Vicente Mateus, vendo o jogo comigo, ficou deslumbrado, quis comprar seu passe antes do fim da partida. Sugeri conversarmos durante o jantar, na Churrascaria Gaúcha. Lá  acertamos o negócio: CR$ 50.000,00 mais um novo jogo do Corinthians em Araçatuba. Conversei muito com o folclórico dirigente, pessoa boníssima e de simplicidade cativante. Perguntei-lhe : - Como o senhor administra o Corinthians? Ele respondeu: "Simplesmente. Qualquer diretor que fizer gasto maior que CR$ 100,00, sem meu consentimento, paga a conta". Findo o jantar, Vicente Mateus, então com 70 anos, quis ir ás mulheres. Uma caravana seguiu para o trevo. Eu levando-o no Karman Ghia. Entramos numa casa, ele engraçou-se com uma loira de estatura bem superior à sua. Despedi-me e fui para casa. Imagine um pediatra casado, em início de carreira, brigando com o prefeito, dando banda na zona com Vicente Mateus!

*Geraldo da Costa e Silva é médico, escritor, membro da Academia Araçatubense de Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário